HNO - DSO / Terapia de Células-Tronco

Encontre o melhor tratamento de células-tronco para HNO - DSO

Hipoplasia do Nervo Óptico (HNO) e Displasia Septo Óptica (DSO) são duas das condições congênitas para as quais a Unique Access pode oferecer acesso ao inovador tratamento com células-tronco. Isto oferece novas possibilidades de cura além de opções de tratamento tradicionais.

Por que as Células-Tronco funcionam para Anomalias do Nervo Óptico (HNO/DSO)?

Diversos estudos sobre a eficácia do transplante de células-tronco foram realizados através da utilização de uma variedade de fontes de células, tais como cordão umbilical de células tronco do sangue (CT-SCU), de células tronco mesenquimais derivadas de sangue do cordão umbilical (CTM-SCU), e células tronco mesenquimatosas derivadas da medula óssea (CTM-MO).

Mecanismos

As células tronco mesenquimais vem sido usadas para tratar HNO e DSO há cerca de 10 anos.

Estas células tronco podem melhorar a visão através dos seguintes mecanismos, com base nas suas diferentes características únicas:

(1) As células tronco mesenquimais (CTMs) têm a capacidade de se diferenciarem em células neuronais e segregam factores neurotróficos, tais como o fator neurotrófico derivado do cérebro (FNDC), fatores gliais neurotróficos derivado da linha celular (FGNDLC), que pode promover a diferenciação das células enxertadas em células neurais, inibir a apoptose, melhorar a angiogênese, suprimir um infiltrado inflamatório, e manter a sobrevivência das células enxertadas.

Estes mecanismos não só ajudam na preservação da visão, mas também ajudam a melhorar significativamente a visão perdida através da regeneração do nervo óptico e células ganglionares da retina.

Para fazer isso, as células tronco são injetadas por via IV, punção lombar e/ou injecção no espaço retrobulbar. Esta combinação resulta em cobrir as áreas afetadas de forma mais eficaz.

Melhorias

A maioria das pacientes com distúrbios do nervo óptico que a Unique Access tratou com células-tronco mesenquimais (CTM) apresentou boa melhora na acuidade visual, no campo visual, sensibilidade à luz, visão noturna, estrabismo e nistagmo. Além disso, também houve uma significativa redução na progressão da doença após o tratamento com células-tronco.Pacientes com Hipoplasia do Nervo Óptico (HNO) e Displasia Septo Óptica (DSO) tratados com células-tronco geralmente observam melhorias nas seguintes áreas:
  • Acuidade visual
  • Percepção de luz
  • Campo de visão
  • Visão noturna
  • Visão de Cor
  • Nistagmo

Nossa Promessa

Acreditamos que sempre há uma esperança real e que os pacientes merecem ter acesso a um tratamento eficaz e seguro. Somos independentes, com um departamento médico interno. Combinamos o serviço de hospitais internacionalmente reconhecidos com tratamentos de última geração, produtos únicos e serviços que são integradores e eficazes para assegurar que o tratamento tenha o melhor resultado possível.

Células Tronco

Sobre as Células Tronco que utilizamos, garantimos que o paciente receba a célula tronco correta e necessária no que diz respeito a qualidade, quantidade e viabilidade. Nosso parceiro exclusivo de pesquisas garante uma viabilidade celular de 95%, sendo que muitas injeções chegam a supreendente viabilidade de 98%-99%.

Terapias de Apoio & Remédios

Garantimos que o paciente receba os medicamentos, terapias de apoio, reabilitação, desintoxicação e programas de aumento do sistema imunológico necessários para tirar o maior proveiro das células-tronco.

  • Oxigenoterapia hiperbárica (OTH)
  • Acupuntura
  • Terapia Aquática
  • Tratamento de Fisioterapia
  • Terapia Ocupacional
  • Estimulação Magnética Transcraniana (EMT)
  • Tratamento de Oxigenação
  • Gotas de Vitamina por Injeção Intravenosa
  • Suplementos que Aumentam o Sistema Imunológico (ex. GcMAF)
  • Planos de Dieta Especializados & Consultas

Hospital Associado

O tratamento será realizado em um hospital terceirizado reconhecido internacionalmente, e não em um hotel ou uma clínica. Isto é importante para a segurança e cuidado do paciente, já que o paciente terá acesso a todos os departamentos especializados e a todos os médicos especialistas, o que aumentará a eficácia de tratamento.

Qual é o procedimento da Injeção Retrobulbar?

Passo 1

O paciente encontra-se em posição deitada e em seguida 3% tintura de iodo e 75 % de álcool são cuidadosamente aplicados para desinfetar a pele a partir da margem da pálpebra inferior à borda orbital inferior, respectivamente.

Passo 2

Uma agulha canulada afiada é inserida verticalmente dois milímetros no quadrante entre o exterior 1/3, 2/3 dentro da borda orbital inferior (se a injeção é feita a partir do saco conjuntival, a pálpebra inferior é aberta puxando-a para baixo antes da injeção e, em seguida, o agulha é inserida no fundo do saco conjuntival, no mesmo local).

Step 3

A agulha é inserida no equador do globo ocular e, em seguida, dirigida para o local nasal superior até estar a cerca de 3 centímetros de profundidade. O operador precisa empurrar para trás a seringa para se certificar de que não há laceração dos vasos sanguíneos, retirar o estilete, deixando a cânula de plástico no lugar, e, em seguida, injetar as células-tronco no espaço retrobulbar.

Passo 4

Após a injeção, a cânula de plástico é delicadamente removida e, em seguida, o globo é comprimido com curativos desinfetados por alguns minutos para previnir hemorragia. O paciente permance com um tampão pelas próximas 24 horas para reduzir irritação.

Visual

Quais são as anomalias do Nervo Óptico mais comuns?

Existem diversas anomalias do nervo óptico congênitas ou adquiridas que levam a perda visual, podendo causar cegueira legal. A hipoplasia do nervo óptico é a anomalia do nervo óptico congênita mais comum e pode ocorrer tanto como uma anomalia do nervo óptico isolada ou em combinação com mesencéfalo e/ou anomalias da pituitária, onde este termo é coletivamente chamado de Displasia Septo-Óptica.

Neuropatia Óptica, também conhecido como Atrofia do Nervo Óptico, é outra causa comum de cegueira e é causada por fatores genéticos ou adquiridos. Por exemplo, Neuropatia Óptica Hereditária de Leber (NOHL) é uma forma genética de neuropatia óptica enquanto a Neurite Óptica Compressiva, Neuropatia Óptica,  Neuropatia Traumática Óptica,  Neuropatia Óptica Isquêmica são adquiridas. O glaucoma é uma outra causa principal de atrofia óptica, também considerada como sendo uma  adquirida, e estima-se que a segunda principal causa de cegueira no mundo.

 

Maneiras em que essas condições afetam o corpo

Hipoplasia do Nervo Óptico (HNO) ocorre em 70% -80% dos casos e, geralmente, é a primeira apresentada, seguida por anormalidades hormonais. Outras anomalias oculares, tais como nistagmo e microftalmia também podem ocorrer. A Displasia Septo-Óptica (DSO), também conhecida como Síndrome de Morsier, é caracterizada por Hipoplasia do Nervo Óptico (HNO), hipoplasia pituitária e anormalidades do mesencéfalo, tais como a ausência de septo pelúcido e agenesia do corpo caloso.

Déficit neurológico é comum variando de retardo global para déficits focais, tais como epilepsia ou hemiparesia. A Neuropatia Óptica Traumática, Neurite Óptica e Neuropatia Óptica Isquêmica também resultar em perda de visão, mas normalmente não estão associados a outras anomalias.

The Very Best Stem Cell Treatments via tratamentoscelulastronco.com

References

  • Tornqvist, Kristina, Anders Ericsson, and Bengt Kallen (2002).

“Optic nerve hypoplasia: risk factors and epidemiology.”Acta Ophthalmogical Scandinavica. PMID 12059870.

  • Stefanatos GA (2008).

“Regression in autistic spectrum disorders”. Neuropsychol Rev. 18 (4): 305–19. doi: 10.1007/s11065-008-9073-y. PMID 18956241

  • Autism Spectrum Disorder, 299.00 (F84.0).

In: American Psychiatric Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition. American Psychiatric Publishing; 2013.

  • Chaste P, Leboyer M (2012).

“Autism risk factors: genes, environment, and gene-environment interactions” Dialogues in Clinical Neuroscience. 14: 281–92. PMC 3513682. PMID 23226953.

  • Arndt TL, Stodgell CJ, Rodier PM (2005).

“The teratology of autism”. Int J Dev Neurosci. 23 (2–3): 189–99. doi: 10.1016/j.ijdevneu.2004.11.001. PMID 15749245.

  • Rutter M (2005).

“Incidence of autism spectrum disorders: changes over time and their meaning”. Acta Paediatr. 94 (1): 2–15. doi: 10.1111/j.1651-2227.2005.tb01779.x. PMID 15858952.

  • Levy SE, Mandell DS, Schultz RT (2009).

“Autism”. Lancet. 374 (9701): 1627–38. doi: 10.1016/S0140-6736(09)61376-3. PMC 2863325. PMID 19819542.

  • Johnson CP, Myers SM (2007).

“Identification and evaluation of children with autism spectrum disorders”. Pediatrics. 120 (5): 1183–215. doi: 10.1542/peds.2007-2361. PMID 17967920.
Archived from the original on 8 February 2009.

  • Helt M, Kelley E, Kinsbourne M, Pandey J, Boorstein H, Herbert M, Fein D (2008).

“Can children with autism recover? if so, how?”. Neuropsychol Rev. 18 (4): 339–66. doi: 10.1007/s11065-008-9075-9. PMID 19009353.

  • Silverman C (2008).

“Fieldwork on another planet: social science perspectives on the autism spectrum”. Biosocieties. 3 (3): 325–41. doi: 10.1017/S1745855208006236.