Autismo / Terapia de Células-Tronco

Encontre o Melhor Tratamento de Células-Tronco para o Autismo

A Unique Access fornece o mais abrangente programa de tratamento disponível para Autismo/Transtorno do Espectro Autista. Ao integrar a reabilitação da Medicina Funcional com os fatores de crescimento de células tronco, suplementos inovadores como o GcMAF, junto a terapia de células-tronco mesenquimais, o protocolo único de tratamento é um dos melhores disponíveis.

Por que Células-Tronco funcionam para o Autismo?

Pesquisas recentes mostraram duas patologias associadas ao autismo -hipoperfusão do cérebro e desregulação imune, propondo um novo método terapêutico: a administração de células tronco do cordão umbilical mesenquimais (CTM-UM), de eficácia clinicamente comprovada através de nossas observações.

autism-2

Esta imagem mostra que as células-tronco ativas atravessam a “barreira hematoencefálica” para chegar ao local da lesão cerebral após a aplicação intravenosa.

Melhorias

Na medicina funcional, os sintomas do autismo são vistos como uma consequência de muitos desequilíbrios funcionais, por exemplo, alteração no sistema imunológico, metais tóxicos acumulados, capacidade de metabolismo, deficiências nutricionais e desequilíbrios hormonais. Muitos resultam de fatores ambientais e de estilo de vida combinados com predisposição genética.

A maioria dos pacientes do autismo tratada utilizando a combinação de células tronco mesenquimais extraídas do cordão umbilical (CTM-CU) e terapias de apoio (incluindo câmara hiperbárica de oxigênio, terapia comportamental, terapia da fala, acupuntura, estimulação magnética transcraniana e fisioterapia), mostrou sinais visíveis de melhoria nas seguintes áreas:

  • Interação Social
  • Comunicação Verbal e Não Verbal
  • Habilidade para o Aprendizado da Fala
  • Redução do Comportamento Repetitivo
  • Desenvolvimento Mental
  • Tônus Muscular

Mecanismos

O transplante combinado de células-tronco mesenquimais (CTMs), com terapias de apoio baseia-se na patogênese recém-descoberta do autismo – hiperperfusão do cérebro e desregulação imune. 

Em muitos estudos, as áreas afetadas pela hipoperfusão parecem correlacionar-se com as regiões do cérebro que são responsáveis por funcionalidades que são anormais no autismo. Tem sido investigado que o transplante de células tronco derivadas do cordão umbilical induz a neovascularização, que resulta em melhoria funcional em pacientes com autismo.

Nossa Promessa

Acreditamos que sempre há uma esperança real e que os pacientes merecem ter acesso a um tratamento eficaz e seguro. Somos independentes, com um departamento médico interno. Combinamos o serviço de hospitais internacionalmente reconhecidos com tratamentos de última geração, produtos únicos e serviços que são integradores e eficazes para assegurar que o tratamento tenha o melhor resultado possível.

Células Tronco

Sobre as Células Tronco que utilizamos, garantimos que o paciente receba a célula tronco correta e necessária no que diz respeito a qualidade, quantidade e viabilidade. Nosso parceiro exclusivo de pesquisas garante uma viabilidade celular de 95%, sendo que muitas injeções chegam a supreendente viabilidade de 98%-99%.

Terapias de Apoio & Remédios

Garantimos que o paciente receba os medicamentos, terapias de apoio, reabilitação, desintoxicação e programas de aumento do sistema imunológico necessários para tirar o maior proveiro das células-tronco.

  • Oxigenoterapia hiperbárica (OTH)
  • Acupuntura
  • Terapia Aquática
  • Tratamento de Fisioterapia
  • Terapia Ocupacional
  • Estimulação Magnética Transcraniana (EMT)
  • Tratamento de Oxigenação
  • Gotas de Vitamina por Injeção Intravenosa
  • Suplementos que Aumentam o Sistema Imunológico (ex. GcMAF)
  • Planos de Dieta Especializados & Consultas

Hospital Associado

O tratamento será realizado em um hospital terceirizado reconhecido internacionalmente, e não em um hotel ou uma clínica. Isto é importante para a segurança e cuidado do paciente, já que o paciente terá acesso a todos os departamentos especializados e a todos os médicos especialistas, o que aumentará a eficácia de tratamento.

Os melhores tratamentos com células-tronco disponíveis via tratamentoscelulastronco.com

O que é Autismo/Transtorno do Espectro Autista?

Transtorno do Espectro Autista (TEA) é composto de três distúrbios do desenvolvimento: Autismo Clássico, Transtorno Invasivo do Desenvolvimento – sem outra especificação (TID-SOE) – e síndrome de Asperger, que são geralmente vistos como a partilha de sintomas comuns e etiologia. O autismo é o TEA mais prevalente, caracterizado por deficiências na interação social, comunicação verbal e não-verbal, e, comportamento obsessivo repetitivo.

O autismo normalmente aparece antes da idade de três anos e é quatro vezes mais provável de ocorrer em meninos do que meninas. Muitas regiões do cérebro têm sido implicadas na gênese do autismo, mas a base neurobiológica do transtorno permanece mal compreendido. Algumas pesquisas mostraram que fatores genéticos e ambientais desempenham um papel importante devido a serem clinicamente heterogêneos e podem ser associados em até 10% dos pacientes com distúrbios neurológicos e genéticos bem conhecidos, tais como a esclerose tuberosa, síndrome do X frágil, síndrome de Rett e Síndrome de Down.

References

  • Rutter M (2005).

“Incidence of autism spectrum disorders: changes over time and their meaning”. Acta Paediatr. 94 (1): 2–15. doi: 10.1111/j.1651-2227.2005.tb01779.x. PMID 15858952.

  • Levy SE, Mandell DS, Schultz RT (2009).

“Autism”. Lancet. 374 (9701): 1627–38. doi: 10.1016/S0140-6736(09)61376-3. PMC 2863325. PMID 19819542.

  • Johnson CP, Myers SM (2007).

“Identification and evaluation of children with autism spectrum disorders”. Pediatrics. 120 (5): 1183–215. doi: 10.1542/peds.2007-2361. PMID 17967920.
Archived from the original on 8 February 2009.

  • Helt M, Kelley E, Kinsbourne M, Pandey J, Boorstein H, Herbert M, Fein D (2008).

“Can children with autism recover? if so, how?”. Neuropsychol Rev. 18 (4): 339–66. doi: 10.1007/s11065-008-9075-9. PMID 19009353.

  • Silverman C (2008).

“Fieldwork on another planet: social science perspectives on the autism spectrum”. Biosocieties. 3 (3): 325–41. doi: 10.1017/S1745855208006236.